• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Com Temer, doenças erradicadas voltam ameaçar população brasileira

Além dos cortes de investimentos na saúde, o fim de 4 mil equipes da Saúde da Família traz de volta doenças que podem matar crianças e adultos

Publicado: 17 Julho, 2018 - 12h26

Escrito por: Érica Aragão

notice
Mesmo erradicadas há anos no Brasil, doenças contagiosas, como o sarampo e a poliomelite, voltaram a ser motivo de preocupação entre as autoridades sanitárias, profissionais de saúde e a população. Em 2016, ano do golpe que tirou do governo uma presidenta democraticamente eleita – Dilma Rousseff, os municípios tiveram a menor taxa de vacinação e apenas 43,1% das cidades atingiram a meta recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
 
Nas redes sociais, as justificativas para os retrocessos são as campanhas virtuais contrárias às vacinas e a imigração venezuelana na região Norte do País. Já para o ex-ministro da Saúde dos governos petistas, Alexandre Padilha, o desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS) promovido pelo governo golpista e ilegítimo de Michel Temer (MDB-SP) é a única explicação para o retorno dessas doenças.
 
Ele cita a PEC do Teto dos Gastos, que congelou os investimentos públicos por 20 anos, como uma das iniciativas mais nocivas contra a atenção básica de saúde. “Teve um impacto muito grave não só por contenção de recursos do governo, mas porque estados e municípios sabem que não vão ter a contrapartida federal nos próximos anos, então deixam de investir e situações como a volta de doenças contagiosas viram realidade novamente”, explica.
 
Para justificar o retorno do surto de doenças erradicadas, o Ministério da Saúde relacionou a escalada do sarampo à passagem de refugiados venezuelanos pelas fronteiras da região Norte. O ex-ministro da Saúde esclarece que o país vizinho é mesmo um dos quatro onde o vírus circula atualmente, porém refuta a explicação de que a imigração é o único e verdadeiro problema.
 
“Nós tivemos surtos de sarampo por imigração que foram rapidamente controlados, porque existia a atenção básica de saúde funcionando, a Vigilância [Sanitária] funcionando, as vacinas oferecidas”, diz.
 
A afirmação do ex-ministro dialoga com os dados oficiais sobre a vacinação no País. No ano passado, todas as vacinas disponibilizadas pela rede pública ficaram abaixo da meta de 95% recomendada pela OMS. Em 2016, apenas 43,1% dos municípios atingiram a meta. A Bahia e o Maranhão são as cidades que menos imunizaram seus moradores nos últimos anos. Apenas 15% da população foi vacinada, segundo informações do Ministério da Saúde.
 
É também a primeira vez em 16 anos que a meta anual de imunização do sarampo não foi alcançada. A tríplice viral só chegou a 83,9% de cobertura e em 312 municípios do País a taxa de vacinação ficou abaixo dos 50%. Em 2011, a cobertura para ambas as doenças – sarampo e poliomelite - era de 100%.
 
Fim do Programa de Estratégia Saúde da Família
 
Segundo a diretora executiva da CUT, Juliana Salles, além dos impactos com a redução de investimentos na área da saúde, as coisas podem piorar ainda mais com a última canetada do ilegítimo Temer, que praticamente decretou o fim do Programa de Estratégia Saúde da Família (ESF).
 
De acordo com a Portaria nº 1717/2018, do Ministério da Saúde, serão descredenciados do programa mais de quatro mil equipes da Saúde da Família, o que deixará cerca de 15 milhões de pessoas sem o acesso ao serviço básico de saúde.
 
“Estão acabando com os agentes comunitários de saúde, que fazem o porta a porta na casa das famílias e alertam os munícipes sobre as campanhas e os riscos à saúde caso não se vacinem”, denuncia Juliana, que também é médica.
 
A dirigente da CUT explica, ainda, que a justificativa de que há uma forte campanha para boicotar a vacinação não é suficiente para explicar o atual cenário.
 
“Há uma forte influência mundial dos naturalistas em boicotar vacinas, como é o caso da Europa, onde o sarampo também voltou. Aqui no Brasil, porém, dados de médicos brasileiros comprovam que são os mais pobres que não estão se vacinando e que nada tem a ver com este movimento antivacina”, esclarece a diretora da CUT.
 
Doenças já tinham sido erradicadas
 
No mês de junho, o Ministério da Saúde informou haver alto risco de retorno da poliomielite em pelo menos 312 cidades brasileiras. A doença era considerada erradicada no continente desde 1994, após décadas provocando milhares de casos de paralisia infantil.
 
O sarampo, considerado extinto desde os anos 2000, também voltou a assustar a população. Entre 1º de janeiro e 23 de maio deste ano, foram registrados 995 casos de sarampo no País (611 no Amazonas e 384 em Roraima), incluindo duas mortes, segundo dados da OMS.
 
Em 2016, o Brasil recebeu o certificado de eliminação da circulação do vírus do sarampo pela OMS, declarando a região das Américas livre da enfermidade. Porém, desde o início do ano, a incidência de casos da doença voltou a acontecer, principalmente na região Norte do País.
 
Campanha vacinação
 
Para a secretária Nacional de Saúde do Trabalhador da CUT, Madalena Margarida da Silva, a volta da circulação do vírus é preocupante e precisa ser enfrentada com uma campanha que chegue para todo mundo.
 
“Precisamos que haja uma campanha massiva de vacinação, de modo que chegue a todos os lugares do Brasil. Porém, além disso, precisamos mobilizar toda a população para revogar a PEC do Teto, que, se durar mesmo os 20 anos, iremos viver dias piores no próximo período”, afirma Madalena.
 
“As eleições estão aí e precisamos escolher candidatos que estejam comprometidos com a vida dos trabalhadores e das trabalhadoras. A CUT já tem candidato, porque Lula já disse que vai revogar todas as medidas maldosas destes golpistas e voltará a investir no Brasil e na saúde dos brasileiros”, finalizou Madalena.
 
Vacine-se
 
Entre os dias 6 e 31 de agosto, a “Campanha de Vacinação Contra o Sarampo e a Paralisia Infantil” para crianças e adultos estará em todos os estados do País. Alguns estados das regiões Norte e Nordeste, onde a situação é mais grave, já começaram a imunizar a população.
 
“É uma ação coletiva e é muito importante que os adultos e as crianças, públicos alvos da campanha, vão se vacinar. Só com 95% da sociedade vacinada é que poderemos segurar um possível surto da doença, que, junto com o golpe, só veio atrasar ainda mais o País”, explica a diretora executiva da CUT, Juliana Salles.
 
“Caso contrário, basta ter uma única pessoa não vacinada em uma cidade para que o vírus, trazido por um infectado, consiga chegar a ela.”
 
Sarampo
 
O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida pela vacina.
 
A tríplice viral, vacina que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola, é uma das 14 vacinas oferecidas de graça pelo Programa Nacional de Imunizações. Ela deve ser tomada na infância e em duas doses: a primeira com 12 meses e a segunda com 15 meses. Na segunda dose, a vacina recebe um reforço contra uma quarta doença, a varicela, infecção viral altamente contagiosa que causa a catapora.
 
Caso não tenha sido imunizada na idade correta, qualquer pessoa até os 49 anos poderá tomar a tríplice viral em uma única dose. Não devem receber a vacina: casos suspeitos de sarampo, gestantes - devem esperar para serem vacinadas após o parto -, menores de 6 meses de idade e imunocomprometidos.
 
Sintomas da doença
 
Febre alta, acima de 38,5°C;
Dor de cabeça;
Manchas vermelhas, que surgem primeiro no rosto e atrás das orelhas, e, em seguida, se espalham pelo corpo;
Tosse;
Coriza;
Conjuntivite;
Manchas brancas que aparecem na mucosa bucal conhecida como sinal de koplik, que antecede de 1 a 2 dias antes do aparecimento das manchas vermelhas.
 
Poliomielite
 
A poliomielite, também chamada de paralisia infantil, é uma doença infectocontagiosa causada pelo poliovírus. Ela geralmente ocorre em crianças de até 5 anos, mas pode surgir em adultos que não tomaram a vacina. A poliomielite é uma doença muito grave que pode levar à paralisia dos membros inferiores e, no pior dos casos, à morte dos portadores.
 
Sintomas da doença
 
O período de incubação do vírus é de uma a duas semanas. No entanto, ele pode chegar a um mês. Os sintomas da poliomielite surgem cerca de três dias depois de contraído o vírus, sendo que os principais são:
 
Febre baixa;
Diarreia;
Fadiga;
Náuseas e vômitos;
Dor abdominal;
Dor de cabeça e garganta;
Dor nos membros;
Mal-estar.
carregando