• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

CUT Mato Grosso realiza Ato representativo em alusão ao Dia do Trabalhador

Na próxima sexta-feira (30) de abril, véspera do Dia do Trabalhador, comemorado nacionalmente em 1º de maio, um Ato simbólico, sem aglomeração, irá marcar a luta na defesa de direitos da Classe trabalhadora.

Publicado: 27 Abril, 2021 - 18h25 | Última modificação: 28 Abril, 2021 - 17h56

Escrito por: Assessoria/CUT-MT.

REPRODUÇÃO
notice
Ato simbólico marca luta por direitos

A Central Única dos Trabalhadores em Mato Grosso (CUT-MT) realizará na sexta-feira (30) de abril, véspera do Dia do Trabalhador, comemorado nacionalmente em 1º de maio, um Ato simbólico, sem aglomeração, afim de marcar a luta na defesa de direitos da Classe trabalhadora.

O ato representativo ocorrerá de maneira simultânea nas praças Alencastro e Bisco Dom José, ambas na região central de Cuiabá, a partir das 17h. Dois grupos de trabalhadores farão o manifesto simbólico com a entrega de máscaras de proteção contra a Covid-19 e panfletos à população.

Para o presidente da CUT-MT, Henrique Lopes, a data em que é celebrado o Dia do Trabalhador, infelizmente não apresenta motivos para comemoração. “Estamos sofrendo ataques sistemáticos com a retirada de direitos e conquistas que foram asseguradas após muita luta. O governo Bolsonaro, além de tratar a pandemia de maneira irresponsável, não tem dado a assistência que a população precisa num momento tão vulnerável como esse. Esse ato que estamos preparando, é uma forma de chamar a atenção da sociedade acerca da necessidade de discutirmos o que está sendo feito com o dinheiro que pagamos através dos impostos e que, quando precisamos do retorno em serviços e políticas públicas, somos deixados à própria sorte”, disse Henrique.

O sindicalista ainda ressalta a constante perda do poder de compra do trabalhador. “Estamos enfrentando, dia após dia, a carestia no preço dos alimentos, de modo que está cada vez mais difícil assegurar até mesmo o básico da alimentação. O trabalhador, os pais e mães que são chefes da família, estão padecendo sem poder trabalhar nesta pandemia. Muitos perderam o emprego e estão sendo desprezados pelo poder público, por isso, essa data merece muita reflexão e o reforço à luta por direitos. Não estamos pedindo favor dos governos; trata-se de recebermos o auxílio a que temos direito para vivermos com dignidade”, disse.

Entre as reivindicações da Central, entra na pauta dos manifestos, a defesa da manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 aos trabalhadores enquanto durar a pandemia; a disponibilização de vacina para todos e todas, sem distinção, pelo Sistema Único de Saúde (SUS); assistência médica de qualidade às vítimas da Covid-19; testagem em massa da população; a não privatização de empresas públicas; a não aprovação da PEC 32 da Reforma Administrativa, que visa sucatear os serviços públicos.

Edevaldo JoséEdevaldo José
Robinson Ciréia de Oliveira - Secretário de Organização e Política Sindical da CUT-MT

 

O Secretário de Organização e Política Sindical da CUT-MT, Robinson Ciréia de Oliveira, destaca o posicionamento negacionista do governo Federal e a inércia do governo Estadual em garantir assistência aos trabalhadores que estão em situação de vulnerabilidade social devido à crise sanitária. “O ato de distribuir máscaras nas praças públicas traz essa crítica ao governo Bolsonaro que, com sua política de morte, ignorou o potencial destrutivo da pandemia, não comprou vacinas no tempo oportuno e é visto constantemente sem usar a máscara de proteção, incentivando seus eleitores a fazerem o mesmo. Além disso, reduziu e limitou o auxílio emergencial. Em Mato Grosso, o governador também fecha os olhos para a pandemia publicando decretos que não protegem de verdade a população e aqueles que precisam pegar o transporte público para ir trabalhar. Resultado disso é Mato Grosso como um dos últimos do país em número de pessoas vacinadas até agora”, disse.

 Ato Nacional

No dia 1° de Maio, Dia Internacional dos Trabalhadores e das Trabalhadoras, a CUT e demais centrais sindicais (Força, UGT, CTB, CSB, NCST, CGTB, Intersindical e Pública) estarão unidas mais uma vez em torno de pautas urgentes para a classe trabalhadora, como a defesa e o respeito à vida, auxílio emergencial digno e emprego decente.

O 1º de Maio Unitário das centrais sindicais terá a presença de todos os presidentes das entidades, além de artistas, intelectuais e lideranças religiosas e políticas em uma Live, que será transmitida, a partir das 14h, pela TVT e pelas redes sociais do movimento sindical.

Fonte: Assessoria/CUT-MT.