• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Mato Grosso na rua em defesa da Educação e contra a reforma da aposentadoria

Mais de 10 mil estudantes e trabalhadores nas ruas de Cuiabá

Publicado: 31 Maio, 2019 - 16h24 | Última modificação: 02 Junho, 2019 - 10h08

Escrito por: Silvia Marques

Mary Juruna
notice

“A Educação uniu estudantes e trabalhadores! As imagens das ruas de todo o Brasil confirmaram o grito de guerra dos estudantes. Em Mato Grosso, este segundo dia de Mobilização Nacional, realizado nesta quinta-feira (30.05), reforçados com os trabalhadores da educação pública básica em Greve, levou mais de 10 mil participantes para as ruas centrais de Cuiabá. 

 A mobilização convocada pela União Nacional dos Estudantes (UNE), contou com a adesão da CUT e entidades filiadas, como a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), a Federação Única dos Petroleiros (FUP), Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro da CUT (Contraf-CUT). O ato foi considerado mais um aquecimento para a greve geral contra a reforma da Previdência, marcada para 14 de junho. De acordo com os organizadores em torno de 1,8 milhão de pessoas foram às ruas em 190 cidades do Brasil – dos 26 estados e do Distrito Federal –, além de outras 10 do exterior.

 Os protestos são contra os cortes do governo federal ao orçamento da educação. Foram bloqueados R$ 2,4 bilhões que estavam previstos para investimentos em programas da educação infantil ao ensino médio e R$ 2,2 bilhões das universidades federais. “Os cortes que o governo Bolsonaro na Educação não compromete apenas o funcionamento dos institutos e universidades, afeta a saúde, produção científica e tecnológica”, alertou o presidente da União Nacional dos Estudantes, em Mato Grosso (UNE-MT), Willian Dias. 

 Os protestos também foram à contra a reforma da previdência e a privatização das empresas publicas. O presidente do Seeb/MT, Clodoado Barbosa, somente com o povo na rua será possível barrar a nefasta reforma da Previdência e as privatizações. “Estamos na rua junto com os estudantes e professores, pois a pauta da educação pública é nossa também e de toda a classe trabalhadora. Além disso, temos que nos unir para barrar essas medidas que retiram direitos, reduzem o papel social do estado e empobrece o povo brasileiro”, reforçou.

 O presidente da CUT MT, João Luiz Dourado, estudantes e os trabalhadores unidos deram o tom do que será dia 14 de junho. “Esse é o segundo esquenta rumo à Greve Geral. São os estudantes deste país, junto com a classe trabalhadora que irão derrotar esse projeto que visa acabar com os direitos dos jovens de ter um futuro digno, com educação, saúde e trabalho”, frisou o presidente da cutista.

 Coleta de Assinatura contra a  PEC nº 006/2019

 Durante a concentração na Praça foi feita a coleta de assinaturas contra a Reforma da Previdência. O abaixo-assinado, que está sendo realizado em todo o País, por iniciativa das centrais sindicais e sindicatos filiados, será encaminhado ao Congresso Nacional.

 Os formulários do abaixo-assinado podem ser acessados aqui.  Após a coleta de assinaturas, os formulários assinados podem ser entregues no sindicato ou na CUT MT, que encaminhará o documento final para a sede da CUT em Brasília. 

  Querem roubar sua aposentadoria

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 006/2019, da reforma da Previdência, de Bolsonaro, se aprovada, vai destruir a aposentadoria do povo brasileiro. A PEC acaba com a aposentadoria por tempo de contribuição e institui a obrigatoriedade da idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres, aumenta o tempo mínimo de contribuição de 15 para 20 anos e altera as regras especiais de trabalhadores e trabalhadoras rurais e professores.