• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

POSIÇÃO POLÍTICA DA CUT/MT SOBRE O 2º TURNO DA ELEIÇÕES EM CUIABÁ

CUT/MT- Livre, Autônoma e Classista

Publicado: 24 Novembro, 2020 - 15h14 | Última modificação: 24 Novembro, 2020 - 17h21

Escrito por: CUT-MT

notice

A direção estadual da CUT/MT, reunida no dia 23/11/2020, vem a público reiterar seu respeito à soberania popular que escolheu os projetos políticos representados por Emanuel Pinheiro (MDB) e Abílio Junior (PODEMOS) para disputar o segundo turno das eleições da capital do estado- Cuiabá.
Reafirmamos nossa preocupação enquanto Central Sindical, pelo fato de nenhum dos dois projetos representarem os direitos e as defesas históricas da classe trabalhadora e que o resultado do 1º turno das eleições apresenta derrota para a classe trabalhadora de Cuiabá pelo fato dos candidatos que disputam o 2º turno, terem demonstrado seu descompromisso com os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.
As candidaturas que seguem para o 2º turno das eleições municipais, pertencem à partidos políticos do arco de sustentação do atual governo federal, cuja política nacional ultra-liberal é de Guedes e Bolsonaro, apoiadas e replicadas em Mato Grosso pelo governador Mauro Mendes, que tem pautado suas ações na direção de saciarem a “fome de lucro” de um pequeno número de milionários rentistas. Além de patrocinar e coordenar, o desmonte do estado e os direitos sociais, a exemplo da Emenda Constitucional nº 95/98- que congelou investimentos por 20 anos em saúde e educação, a lei da terceirização sem limites, a reforma trabalhista que flexibilizou e retirou direitos, aumentou o desemprego e a informalidade.
Temos por um lado, a candidatura de Emanuel Pinheiro que além de representar o clientelismo e o uso de recursos públicos para interesses privados, a mesma tem demonstrado um certo alinhamento com as políticas de Bolsonaro e Mauro Mendes cujo resultados não tem atendido os interesses da das políticas públicas voltadas aos cidadãos e cidadãs de Cuiabá, em especial os/as servidores/as públicos/as que veem seus diretos sendo retirados e desrespeitados.
Logo, a candidatura do Vereador Abílio representa tudo que negamos enquanto defensores de políticas públicas democracia e estado de direitos. Tem a cara da extrema direita. É a representação fiel do Governo Bolsonaro que já provou seu descompromisso e despreparo para a condução responsável do país, por ser um governo que pauta suas ações pela violação da soberania nacional e da política de paz entre as nações, pelo desrespeito às instituições e os direitos humanos, pelo fundamentalismo religioso teocrático NEOCOLONIAL e intolerância religiosa, pela negação da ciência, ataque à cultura, aos povos indígenas, e aos direitos humanos, pela repressão à liberdade de imprensa, o desrespeito aos grupos étnicos e pessoas em situação de vulnerabilidade.
Pesa contra um candidato o flagrante acesso à significativas cifras financeiras por condutas duvidosas, por outro lado, encontramos o outro candidato que age de forma inconsequente, autoritária e truculenta no exercício da função pública. Que diz atacar a corrupção, mas pesa contra o mesmo a denúncia da existência de familiares fantasmas na Assembleia Legislativa. Que faz declarações públicas contra as mulheres e contra os servidores públicos, inclusive, ameaçando-os de demissão, sem mesmo saber se será eleito.
Considerando, que nada do que fora exposto muda o fato da população cuiabana ter que voltar às urnas para escolher entre os dois candidatos, um deles será vitorioso e administrará o município nos próximos 4 anos a partir de janeiro de 2021;
Considerando, que a CUT/MT pauta a defesa dos/as trabalhadores/as com total independência frente ao Estado e autonomia em relação aos partidos políticos;
Considerando, que independente do resultado das eleições, a classe trabalhadora deverá estar articulada para a luta unitária contra os retrocessos, uma vez, que está em curso uma nova ofensiva que visa dar continuidade à política de flexibilizações e retirada de direitos trabalhistas e das políticas sociais, bem como, uma agenda de retomada das privatizações, as reformas Administrativa e Tributária;
Considerando, que a classe trabalhadora do campo CUTista tem como encaminhamentos coletivo a luta pelo fim do governo Bolsonaro e tudo que ele representa, a CUT/MT reafirma que nenhum dos dois projetos em disputa representam os interesses da classe trabalhadora, mas vê na candidatura de Abílio a maior ameaça aos direitos do povo cuiabano, razão pela qual, orienta o voto nas urnas contra o Candidato Abílio Jr.
CUT/MT- Livre, Autônoma e Classista.
Cuiabá, 24/11/2020
Direção Estadual