• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
MENU

Vigília em defesa da Democracia e de Lula Livre

Eles sabem que Lula candidato será eleito presidente e Lula Presidente

Publicado: 05 Abril, 2018 - 06h20

Escrito por:

notice
 
Nesta quarta-feira (4.4), dia do julgamento pelo Supremo Tribunal Federal (STF) do pedido de habeas corpus preventivo do ex-presidente Lula, a CUT MT e os demais movimentos e entidades que compõem a Frente Brasil Popular de Mato Grosso se concentraram na Praça Alencastro, em Vigília, onde acompanharão o julgamento.
 
Durante a vigilia, as lideranças dos movimentos sociais e sindicais denunciaram a perseguição jurídica e midiática que o Lula sofre. “Lula está sendo perseguido por parte do Judiciário e da mídia que não quer que ele seja candidato nas eleições deste ano. Ele é inocente e está sendo condenado sem provas”, reafirmou o presidente da CUT MT, João Luiz Dourado, ressaltando que o julgamento é uma farsa e faz parte do Golpe contra a Democracia.  
 
“Eles sabem que Lula candidato será eleito presidente e Lula Presidente significa revogação da Reforma Trabalhista, Fim das terceirizações, Fim das Privatizações e principalmente fim da retirada de direitos da classe trabalhadora”,  completa o presidente da CUT MT.
 
A universitária, Julia Tizziani, disse que condenar Lula sem provas é Golpe. “O golpe é contra os jovens, pois estão retirando os nossos direitos e roubando nossos sonhos. Não reconhecemos esse governo golpista. A juventude não aceitará retirada de direitos e o fim da Democracia”, avisou Julia.
 
A funcionária da Educação e direção da CUT e  vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Jocilene Barboza, também falou do retrocessos nas políticas educacionais e na retirada de direitos da classe trabalhadora. “Lula não está preocupado com a prisão dele, Lula está preocupado com o futuro da classe trabalhadora, com a Democracia, com a esperança do povo. O que estão fazendo contra o Lula estão fazendo contra a nação brasileira, para desmontar o Estado e atacar às garantias e os direitos individuais e sociais do povo”, explicou. 
carregando
carregando